domingo, 4 de dezembro de 2016

4 de dezembro

a fresta de luz incomoda as pupilas porque sou próxima do breu, 
mas há um rapaz com um pássaro nas mãos ao meu lado
e isso é tão bonito de ver. 
caridade, eu vou mover montanhas, 
diz a música como o vento que sacode o galho. 
é Billie com toda sua melancolia sussurrando:
a maré está alta e tudo mais será carregado para a ilha.
o sorriso secreto está crescendo 
e subindo a ladeira cantando como o brilho que segue o beijo.
que baita sol hoje, que baita sol. 
é praticamente impossível ficar na janela. 
passei mal a semana toda e foi semana de estreia. 
tudo mais pode cair, mas não é a minha vez. 
é quatro de dezembro e estou com ele.
que felicidade, meu bem!
eu poderia sorrir se não fosse o noticiário 
que bagunçou aqui dentro 
e tudo está detrás pra frente agora. 
chá de camomila para a cólica que não para. 
fracassamos, Senhor, fracassamos. 
é o dia mais triste do ano.  
morreu o poeta sujo, 
morreu Ferreira Gullar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário